quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Reposição de aulas

Os alunos da rede pública municipal de ensino ficaram sem aula por quase um mês devido a greve dos profissionais da área da educação, que reivindicavam melhores condições de trabalho e reajuste salarial. Me lembro que na época o prefeito Paulo Mustrangi garantiu que os alunos não seriam prejudicados e que haveria reposição das aulas perdidas.

Temos recebido muitas reclamações de que as escolas não estão dando matérias aos sábados e que por isso a frequência é baixa. Que os próprios professores e diretores acabam por induzir os alunos a não irem assistir aula. E mais, feriados prolongados emendados também contribuem para que os alunos não tenham os quase trinta dias repostos da forma que deveria acontecer, ou seja, com matéria nova.

O Conselho Tutelar pode fazer alguma coisa? Os nossos vereadores podem intervir? Ou nossas crianças vão ter um ano sem quase um mês de atividades?

O ensino público no Brasil vem sofrendo pela falta de qualidade e nós não compactuamos com isso.

É assim mesmo? Se isso acontecesse na escola particular os alunos ficariam assim, a deriva? não, não ficariam.

Cobramos neste espaço que o governo tome medidas não paliativas e sim definitivas para que nossos alunos da rede pública não tenham um ano com um mês a menos.

9 comentários:

  1. Bom dia,com tudo isso acontecendo tem até professor que não comparece as escolas no dia de reposição.
    O conselho tutelar parece que fecharão os olhos para esse problema.
    Na radio estrada um coselheiro disse que ia investgar isso de perto e que não ia deixar nossos filhos serem prejudicado.
    Parece que esqueceram disso.
    No nosso calendario escolar ´so tem 14 dias e com certesa não serão cumprido,pois os ultimos dias de aula é 22/12 e 23/12 voce acha que do geito que vai eles irão trabalhar nesse dias.
    Se não tem fiscalização.
    Só as crianças podem ser prejudicada.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. LEANDRO TABOADA COUTINHO3 de novembro de 2010 12:31

    A educação em nossa cidade nada mais é do que um espelho da situação nacional. Nunca se investiu tão pouco em educação quanto nesses oito anos de governo Lula. E isso não é partidarismo, é apenas fato.

    Escolas públicas não reprovam sob pretexto de perderem seus alunos que, se reprovados, perderiam a "motivação" e, com isso, preencheriam seus tempos de estudos com drogas e outras coisas.

    Escolas particulares também não reprovam. Aí o problema já é outro. Se reprovados, alunos trocariam de escola e, com isso, esta perderia o que parece ser, ultimamente, a principal meta dessas instituições: a mensalidade escolar.

    E isso porque, como todos sabem, a EDUCAÇÃO é a base de tudo.

    ResponderExcluir
  3. Roberto a educação está uma vergonha, esou dizendo isso mas pela alsencia de professores nessas escolas que estão tendo reposições aos sábados. Professor que não está querendo dá aula influência os alunos a não irem a aula.
    É uma pouca vergonha.
    É PAU NA MULANBADA!

    BEIJOS DA NAILÊ!
    Até a próxima postagem!

    ResponderExcluir
  4. ROBERTO,
    Como vai? Assisti a reprise do seu programa ontem e fiquei muito desapontada:sou professora da rede municipal desde 1997, fiz greve por acredtitar em melhores condições de trabalho e também salário. Trabalho em 2 escolas municipais que cumprem rigorosamente o calendário de reposição que nos foi colocado pela Secretaria de Educação. Como você disse, Roberto o que está acontecendo é que de fato os pais não levam os filhos aos sábados e ainda ouvimos desaforo... Gostaria que você pessoalmente verificasse a situação e que não julgasse toda uma categoria em função de um pequeno grupo que não está nem aí para as coisas? Outra coisa, esses pais que se dizem tão preocupados com a reposição por que não procuram a Secretaria de Educação para reclamações, ou melhor o Ministério Público? Atenciosamente, Renata Silva
    Aguardo uma resposta

    ResponderExcluir
  5. Pois é.
    Não só aos sábados não há matéria.
    Meu sobrinho está sem geografia desde julho.
    A professora de matemática quase nunca comparece.
    A professora de portugues passou todo o ano sem motivar leitura alguma, redação alguma.
    O professor ou a professora que não quiserem lecionar - ou que lecionam com a maldita mentalidade de que os alunos de Escola Pública merecem menos cometem o crime de lesa-pátria sim.
    E ainda são ignorantes do fato de que os impostos que a família destes alunos pagam em cada ítem comprado e nos serviços, saem mais caros ( somando tudo no mes ) do que uma mensalidade escolar.
    Favor algum.
    Há discrepâncias entre uma escola e outra, pois há escolas em que, faltando professor, alguém o substitui imediatamente.
    A desqualificação na educação não termina na sala de aula mas é lá que começa.
    Um professor criativo e interessado motiva a curiosidade dessa geração que cresceu com a informação rápida e visual e portanto carece muito mais de MOTIVO.
    Este sobrinho,está orientado pela família a largar tudo para repetir a série - pois não terá base para a seguinte. Fato que acontece com a maioria.
    Os professores querem o quê? Se não honram a própria profissão e o próprio tempo?
    Muito marasmo nas escolas.
    Tenho dó. Porque isto se refletirá para sempre na vida escolar e produtiva destes alunos.
    A Secretaria de Educação tem verba federal como sempre teve para executar o que lhe cabe.
    Mas nem fiscaliza.
    Na verdade, estamos em tempos de cada um por sua vaidade ( sem substância aliás) - porque ninguém pode se envaidecer por ser medíocre e a maioria dos professores municipais são sim medíocres. Menos que isso.
    Quem lida com pessoas necessita ser sim criativo porque pessoas são desafiantes o tempo todo.

    ResponderExcluir
  6. Sr. Roberto Costa,
    É impressionante como a desqualificação da Educação Publica Municipal começa já no seu programa. Os comentários postados neste blog,sao sombras do que vc diz. Sou uma professora municipal, fiz greve por acreditar que há um imenso desrespeito com o educador e no período de paralisação das aulas, nas nossas manifestações, pude perceber apoio e a compreensão do povo desta cidade, na necessidade do nosso ato. Vc está generalizando as atitudes de alguns professores. Será que tb não existem jornalistas descumpridores do seu dever! Pense nisso!! Se quiser, pode me procurar, sou Gelza dos Santos Gatera, educadora que esteve à frente deste movimento tão sério que certamente ficará na memória dos habitantes de Petrópolis. Com certeza, se há algum professor que não está cumprindo com seu dever, que seja denunciado à Secretaria Municipal de Educação. Por favor, não julgue o todo por alguns. Qdo vc comenta que "na Escola Particular isto não aconteceria", cuidado! A realidade nestas escolas é bem diferente, seus donos dependem das mensalidades dos alunos, e os professores vivem a mercê dessa situação. Com certeza, não fariam greve!!! Engraçado, é que vc mesmo, na época da greve, fez propaganda para uma escola particular, dando descontos para os alunos públicos. Isso é desqualificação, Sr. Roberto!Aguardo seu retorno.Atenciosamente, Professora Gelza

    ResponderExcluir
  7. Os alunos da rede pública municipal de ensino ficaram sem aula por quase um mês devido a greve dos profissionais da área da educação(motivada pela total falta de vontade do Prefeito Paulo Mustrangi e da secretaria de educação Sandra La Cava em negociar com a gategoria, visto que em 2009 a PMP concedeu reajuste de 0% para seus servidores, fato comemorado pelo ex-sindicato que representava a categoria, ou seja a culpa da greve foi única e exclissivamente da PMP), que reivindicavam melhores condições de trabalho e reajuste salarial. Me lembro que na época o prefeito Paulo Mustrangi garantiu que os alunos não seriam prejudicados e que haveria reposição das aulas perdidas.

    Temos recebido muitas reclamações de que as escolas não estão dando matérias aos sábados e que por isso a frequência é baixa. Que os próprios professores e diretores acabam por induzir os alunos a não irem assistir aula(você pode provar isto que esta dizendo? Acusar publicamente educadores e diretores(que são um cargo de confiança do Prefeito) é no mínimo uma posição estranha. E mais, feriados prolongados emendados também contribuem para que os alunos não tenham os quase trinta dias repostos da forma que deveria acontecer, ou seja, com matéria nova.

    O Conselho Tutelar pode fazer alguma coisa? Os nossos vereadores podem intervir? Ou nossas crianças vão ter um ano sem quase um mês de atividades?

    O ensino público no Brasil vem sofrendo pela falta de qualidade( pois os governantes não querem pessoas com formação de qualidade, o que conta são números, "tivemos menos reprovados do que o ano passado vou poder me reeleger" e nós não compactuamos com isso.( Elogiam tanto o atual governo federal pois ele criou muitas vagas em universidades, porem vc sabia que o Brasil não tem nem 1 universidade entre as 200 melhores do mundo, sim as 200 e não as 20. Vergonhoso não.

    É assim mesmo? Se isso acontecesse na escola particular os alunos ficariam assim, a deriva? não, não ficariam.

    Cobramos neste espaço que o governo tome medidas não paliativas e sim definitivas para que nossos alunos da rede pública não tenham um ano com um mês a menos.

    Resumindo, você pode em apenas 30 dias ensinar um aluno a escrever seu nome, mas pode também der 365 de aula e ele não aprender em a 1ª letra de seu nome.

    Quem perde com dias parados e a FABRICA DE AUTOMÓVEIS, não um aluno, temos que tirar está ideia da cabeça de que escola tem que produzir, escola tem que formar um cidadão critico ( há se a escola não dependesse da politica...). Pode ter uma certeza a educação não se conta em dias, mas sim em dedicação dos seus agentes, educadores comprometidos com a formação do cidadão, na sua grande maioria muito mal remunerado, desvalorizado, humilhado, agredido, sem suporte para exercer seu oficio.

    Devemos deixar de por a culpa nos educadores e cobrar de forma enérgica um maciço investimento na educação.

    Em preto: escrito por Roberto Costa

    Colorido: minha resposta.

    ResponderExcluir
  8. O conselho tutelar pode ajudar cobrando do prefeito que cumpra com o estatuto da criança,os vereadores podem buscar na lei maneiras de obrigar o prefeito a cumprir suas obrigações e não ficar buscando desculpa de porque não o faz.
    O prefeito pode cumprir o que assinou no final da greve e até agora não o fez. Os pais podem quando encontrarem o prefeito e a secretária de educação cobrar deles que deem a seus filhos a educação que merecem. Ou eles não se preocupam com isso ? Ricardo

    ResponderExcluir
  9. Acho importante as revendicaçoes dos professores.Deveria ter fiscalização como como vai está reposição,o encerramento está marcado para o dia 17-11-2010 e os e o restante dos dias quem vai perder?
    Como sempre as crianças sairrão perdendo,Cade o conselho que não faz nada para melhorar essa situação.
    Um abaço.

    ResponderExcluir