quarta-feira, 23 de maio de 2012

Banco de sangue

quero hoje fazer um questionamento: Por que Petrópolis não tem um banco de sangue público.

Todos nós somos, é claro, favoráveis a doação e acredito mesmo que cada um que faz este gesto salva uma vida. Não estou me referindo a isto, os doadores fazem por convicção e por generosidade.

O que eu não concordo é que o banco de sangue, localizado nas dependências do hospital Santa Teresa, comercialize as bolsas de sangue a R$ 250,00 cada.

quer dizer, nós doamos de graça e alguém se beneficia com isso?

Minha opinião é que Petrópolis deveria ter um banco de sangue próprio que conseguisse suprir as necessidades dos hospitais da cidade, pelo menso os que estão conveniados com o SUS.

11 comentários:

  1. Nós doamos e os hospitais vendem! Relação esquisita essa, não é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia e se informe mais antes de pegar o bonde andando... É melhor para você e para todos. Felicidades.

      Excluir
  2. caraca roberto!
    eu achava que quando doamos o sangue seria aplicado de graça nas pessoas que precisam.isso e crime.com quem doa e com quem ta recebendo.
    ate porque se vc ta recebendo e porque vc precisa disso pra viver ou ate mesmo pra se curar.um bem que e transmitido por outras pessoas por amor ao seu proximo.
    e meu amigo quando se trata de Petropolis,o que nos espera!????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia e se informe mais antes de pegar o bonde andando... É melhor para você e para todos. Felicidades.

      Excluir
  3. Caro Roberto tenho 60 anos e só agora passei a ser doador. O assunto que você levanta agora, nos deixa, assim como as decisões que temos que tomar em relação a eleger políticos, indecisos e parcialmente "perdidos". Como nunca me preocupei em entender tudo que envolve a doação de sangue, sempre imaginei que ao me envolver nisto diretamente, usando um slogan que você usa no Programa, que eu estaria participando de uma "corrente do bem"... Não queria acreditar que a verdade é a que você levantou agora, mas imaginando que mesmo que seja assim, que as bolsas de sangue sejam "vendidas" e raciocinando que uma vez que não exista um Banco de sangue público, deduzo que o Banco de sangue ao qual nos referimos, tenha sim despesas diversas que tem que ser pagas com algum recurso que venha de algum lugar. Se assim for e é, concordo com a venda das bolsas até o dia em que seja criado um banco de sangue público. Enquanto isto, creio que o ideal é que os parentes das pessoas que necessitam de sangue, se cotizem sempre e façam as doações tantas quantas forem necessárias, para o parente necessitado. Certa vez ouvi algo que dizia que um dia poderíamos doar sangue para nós mesmos e estocá-lo até o dia em que nós mesmos precisemos. Imagino que seria mais uma solução para acabar com as dificuldades de falta de sangue e o suposto "comércio" com as bolsas de sangue. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei falar e escrever bonito, mas tenho certeza de que me fiz entender!

      Excluir
  4. Maristela Camargo23 de maio de 2012 13:56

    Roberto, primeiro quero parabenizar pelo seu Blog, percebi que esta no seu sangue como jornalista, levar informação de forma justa e que de alguma forma possa melhorar a vida das pessoas. Fazer elas pensarem, questionarem, lutar pelo que é justo. PARABÉNS, mesmo!.
    Infelizmente em nosso país, sabemos que a saúde pública vive um caos, tendo que as empresas privadas, fazer este papel e dar suporte para que a saúde da população seja preservada. Vou mais além, sabemos que isso não acontece só na saúde pública, mas na educação, infra-estrutura, etc.
    Existem altos custos agregados ao sangue: coleta, testes, sorologia, armazenamento e transporte, recrutamento e seleção de doadores, testes imuno-hematológicos, separação e preparo dos componentes do sangue, triagem imuno-hematológica do receptor do sangue, testes de compatibilidade DoadorxReceptor, Controle de Qualidade Interno e Externo, instalação e acompanhamento das unidades transfundidas, supervisão médica 24 horas, equipamentos, geradores, IMPOSTOS, entre outros. Por conseguinte, o custo final de uma transfusão inclui todos esses procedimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Parabéns pela demonstração de discernimento e entendimento do assunto em questão! Poucas pessoas tem este poder de redação clara, objetiva e esclarecedora como você o fez sobre o assunto em questão. Infelizmente, geralmente a divulgação de informações errôneas o mal colocadas, são mais absorvidas por pessoas leigas que acabam multiplicando estas más informações e os maus conceitos publicados, o que em outras palavras é igual ao ditado que diz: "Depois da porta arrombada não adianta mais colocar trancas" assuntos. PARABÉNS!!!

      Excluir
  5. Maristela Camargo23 de maio de 2012 13:56

    Para esclarecer mais ainda a população, o maior problema de estoque, se deve principalmente pela falta de esclarecimento dos procedimentos que envolve a doação de sangue, falta de informação para que a resistência seja quebrada e a solidariedade prevaleça em prol da vida. Também há dificuldade nos estoques, para atender a demanda dos hospitais públicos e privados. Os doadores com a maior boa vontade doam, e as vezes por uma anemia ou outro agravante , a coleta é descartada. Sendo este outro item, de alto custo que os Bancos de Sangue enfrentam. Na maioria das vezes estamos correndo contra o tempo para atender uma cirurgia de urgência, não colocar a vida em risco e encontramos dificuldades de encontrar familiares a tempo para ajudar a socorrer aquela urgência. Por isso precisamos da mobilização da população. O relógio não para , para salvar uma vida.
    Todos os procedimentos realizados são certificados pelos mais rigorosos Controles de Qualidade do Brasil e a Instituição mantém estritamente atualizado a sua estrutura e seus equipamentos. Garantindo a qualidade e segurança para doadores e pacientes.
    Participamos interruptamente do Programa de Controle de Qualidade Externo em Imunohematologia da A.B.H.H. – Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, do qual recebemos nossas certificações com louvor, fruto da dedicação e trabalho de toda a nossa equipe. Também participamos da Acreditação da ONA (Organização Nacional de Acreditação), um trabalho sério, que a cada dia nos traz mais alegria, porque a excelência de nossos serviços está sendo reconhecida a cada dia, seja pelos órgãos competentes, seja por doadores ou pacientes. É satisfação total.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pela demonstração de discernimento e entendimento do assunto em questão! Eu gosto de escrever e explicar sempre bem os assuntos, mas eu não conseguiria o fazer melhor do que você o fez! Mais uma vez, PARABÉNS!!!

      Excluir