quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O impulso

Nesta época do ano vemos uma movimentação maior nas ruas da cidade, shoppings, mercados e tudo mais. Pessoas atrás do presente especial, do sonho de consumo, das compras que fazem parte dos festejos de Natal e ano novo.

Muitas pessoas se individam e mudam a própria realidade. Num primeiro momento o prazer toma conta através da aquisição de um bem material, em um segundo momento, passado o tesão do início, vem as contas e a responsabilidade do pagamento. E muitos acabam apertando o cinto ainda mais devido a um impulso consumista.

Este impulso momentâneo é responsável muitas vezes por grandes dores de cabeça. Bom, na verdade acho que todos nós já passamos por isso, não é?

Mas não custa pensar em ser mais comedido para que depois não nos arrependamos das ações praticadas.

Nosso recado de hoje é este: para que não compremos por impulso porque mais tarde podemos nos arrepender.

Principalmente as mulheres...rsrsrs

2 comentários:

  1. LEANDRO TABOADA COUTINHO15 de dezembro de 2010 13:24

    Meu caro Roberto.
    Gostei tanto do que você escreveu que fiz questão de mostrar à minha esposa. Ela, claro, não gostou muito e ainda fez questão de dividir a culpa com os homens, já que terá que comprar presentes para a sogra, o sogro, cunhada e sobrinhos apenas por ter se casado comigo. É mole?

    ResponderExcluir
  2. Não corro muito esse risco.
    Sou comedida.(Taurina rsrsrs) e funcionária municipal rsrsrsrs....óóóó....
    Comprei exatamente 8 presentes.
    Filhos, netos ( aí caprichei mais porém sem me endividar), e caneca. O amigo oculto lá na festa dos parentes será sorteado na hora, com brincadeira e a tarefa de todos foi a de comprar canecas, prá serem trocadas, é claro.
    A gente sempre escolhe um ítem barato e ninguém fica sem a lembrancinha.
    Endividar-me só se for por doença ( da porta prá fora, como dizia minha avó).

    ResponderExcluir